ESTA SEMANA

Teatro

Teatro        Inshadow        Música        Evento

Teatro
O PELICANO
de Strindberg

1 a 5 Novembro

Quarta a sábado . 21h30
Domingo . 17h00
7€
5€ (-25, +65, prof. espetáculo e portadores de Cartão de Amigo do TdB e quarta-feira)

Com a morte do pai, a família começa a viver uma forte decadência financeira que culmina numa necessidade de reaproximação dos seus membros. Tal necessidade leva a família a passar por angústias, humilhações e privações, fazendo revelações escandalosas e ouvindo insultos uns dos outros. As personagens estão no limite, o ponto culminante da tragédia nas suas vidas.

Encenação: Hugo Tourita; Elenco: Susana Sá, Hugo Tourita, Bibi Perestrelo, Margarida Correia, Rui Westermann; Autor: August Strindberg; Tradução: Gastão Cruz; Luz: José Castanheira. M/12 . 90’

  

Vera Vera Teatro
TRÓPICO DO MAR DA PRATA

16 a 19 Novembro

Quinta a sábado . 21h30
Domingo . 17h00
10€
7,5€ (profissionais do espectáculo, -18 e +65)

Depois de passar pelo Festival de Almada em 2016, a companhia argentina “Vera Vera Teatro” vem agora ao Teatro do Bairro apresentar “Trópico do Mar da Prata”. Aimé vive numa habitação e espera as visitas de Guzmán. Recebe os convidados do “Baile de Mascarados”, uma espécie de orgias coletivas organizadas por Guzmán. Aimé deve estar disfarçada segundo as indicações que lhe dá este homem: o que vestir, como usar o cabelo e até a cor da pele. “É por amor a vós que o faço”, diz Aimé a Guzmán. Contar a história desta relação é explorar os limites insondáveis do poder, é narrar como um corpo pode ser devorado por outra voz, até aos ossos, e como um disfarce pode incrustar-se no corpo até se tornar pele.

Companhia: Vera Vera Teatro; Dramaturgia e encenação: Rubén Sabadini; Intérpretes: Laura Nevole; Luz: Alejandro Le Roux; Assistência de encenação: Pablo Ragoni; Som: Nicolás Bari e Matias Niebur; Figurinos: Jam Monti. M/16 . 60’

  

Stand-Up
HOMEM BRANCO PRIVILEGIADO
Rui Cruz

2O Novembro

Segunda . 21h30
12€

Depois de esgotar o seu primeiro solo “Cego, Surdo e Mudo” e de correr o país com a tour de “Overdose de Tourette”, Rui Cruz volta aos palcos com um novo espetáculo de stand-up comedy: Homem Branco Privilegiado. E se antes Rui Cruz estava irritado, agora está deprimido. Ficou solteiro, mudou de casa, está mais velho, engordou, vive num mundo que não entende e numa sociedade em que não se enquadra. Basicamente perdeu a esperança e só não se mata porque não tem um fato bonito para o velório. No entanto, não se pode queixar muito, porque no meio de todos estes problemas teve a sorte de nascer homem e branco, logo privilegiado.“Homem Branco Privilegiado” é tudo aquilo que é Rui Cruz: amargo, pesado, negro e por vezes doentio, mas sempre acutilante e pertinente, sem tabus ou pedidos de desculpa. E, acima de tudo, é tão real que dá vontade de rir. Rir para não chorar. M/16 . 75’

  

Já International Theatre
“RED” Duas peças de um ato e um copo de vinho
A FLORENTINE TRAGEDY
por Oscar Wilde
THE BEAR
por Anton Chekhov

22 a 26 Novembro

Quarta a sábado . 21h30
Domingo . 17h00
7€
5€ (profissionais do espectáculo, quarta-feira, Dia do Espectador)

O Já International Theatre inaugura a sua época com o programa “RED”, uma “double bill” que apresenta duas peças de um ato, de dois génios da escrita. No primeiro momento teatral, “A FLORENTINE TRAGEDY”, da autoria de Oscar Wilde, o universo humano inteiro encontra-se reduzido a um único quarto no qual três pessoas - Simone, um rico mercador; a sua jovem mulher Bianca; e Guido, o príncipe no seu domínio, fiam os seus destinos na roda do destino. Segue-se “THE BEAR”, de Anton Chekhov, uma curta farsa teatral onde o choque de personalidades escala ao limite do desafio e da descoberta de uma inesperada conexão com uma das cenas mais ternurentas dos textos de Chekhov.

Espetáculo falado em inglês.

O foyer do teatro abre 30 minutos antes do início do espetáulo. Será oferecido um copo de vinho a cada espetador e a oportunidade de conhecer as obras da artista austríaca Alexia Kalteis.

Encenação e produção: Tania Kumeda e Suresh Nampuri; Com: Dan Cotterall (NZ), Margarida Rocha e Melo (PT), Allie Mazon (USA), Diogo Velez (PT). M/12 . 110’

INSHADOW

Teatro        Inshadow        Música        Evento

Vídeo-Dança e Performance
INSHADOW
Lisbon Screendance Festival
9ª Edição

28 Novembro a 2 Dezembro

Quarta a sábado

A 9ª edição do Festival InShadow acontece de 16 de novembro a 21 de dezembro em vários espaços de Lisboa. A programação do Festival InShadow revela o melhor na área da criação artística transdisciplinar, nas áreas do vídeo-dança, performance e instalação. Este ano, as sessões de Competição Internacional de Vídeo-Dança, de 28 de Novembro a 1 de Dezembro, apresentam 40 filmes de 21 países que revelam múltiplas histórias, num desejo comum de chegar à essência da união entre o ecrã e o corpo em movimento. Na noite de 2 de dezembro a coreógrafa Rocio Berenguer apresenta a performance HOMEOSTASIS #V2, uma criação inovadora que propõe um diálogo surrealista entre corpo, tecnologia e inteligência artificial. No final da noite, como vem sendo habitual, faz-se a cerimónia de entrega de prémios e a festa de encerramento com Dj set.
Inshadow assume a vanguarda do vídeo-dança em Lisboa..

Direção artística: Ana Rita Barata e Pedro Sena Nunes; Direção de produção e comunicação: Rita Piteira; Produção: Gabriel Lapas e Joana Gomes; Pós-Produção e Vídeo: João Dias; Design de comunicação: Petar Toskovic; Estagiária de Produção: Beatriz Reis; Estagiária de Cinema: Catarina Silveira.

InShadow - Lisbon Screendance Festival
SESSÕES DE COMPETIÇÃO INTERNACIONAL DE VÍDEO-DANÇA

28 Novembro a 1 Dezembro

Quarta a sexta . 21h30
Entrada livre
M/6 . 90’

InShadow - Lisbon Screendance Festival
Performance
HOMEOSTASIS #V2
Rocio Berenguer

2 Dezembro

Sábado . 21h30
5€
M/6 . 50’

InShadow - Lisbon Screendance FestivalCERIMÓNIA DE ENTREGA DE PRÉMIOS

2 Dezembro

Sábado . 21h30
Entrada livre
M/6 . 90’

InShadow - Lisbon Screendance FestivalFESTA DE ENCERRAMENTO InShadow

2 Dezembro

Sábado . 00h00
Entrada livre

Música

Teatro        Inshadow        Música        Evento

Concerto
RODRIGO ALMEIDA
“Infinito”

31 Outubro

Terça . 22h00
5€

Rodrigo Almeida apresenta o seu lado mais romântico com um álbum que agora podemos conhecer e que assume o nome do 1º single editado desde que reside em Portugal – “Infinito”. Com a verdade e emoção que empresta à interpretação dos seus temas, Rodrigo Almeida é um nome a reter na música portuguesa. Um álbum que, no presente, olha o “Infinito”.

Bateria: Frederico Lopes; Guitarra: Hélder Almeida; Teclados: Daniel Louro; Baixo: Nelson Menezes; Trompete e Teclado: Bruno Costa. 90’

 

Concerto SPA
Com o apoio da Sociedade Portuguesa de Autores
NÃO SIMÃO
Se houvesse vida aqui

18 Novembro

Sábado . 23h00
5€

Não Simão - quinteto composto por Simão Palmeirim (voz e guitarra), Pedro Fernandes (baixo), José Anjos (bateria), Ana Raquel (saxofone barítono) e Marco Alves (trombone de vara) - apresentam no Teatro do Bairro o seu primeiro trabalho, o EP ‘Se houvesse vida aqui’, no dia 18 de novembro, com a participação de Carlos Barretto e outros convidados. Temas em português, que vão da canção intimista à intensidade do rock experimental, passando pelo jazz e pelo ska. M/10 . 90’

Evento

Teatro        Inshadow        Música        Evento

 

Evento
CONVERSAS NO BAIRRO
Ponto de encontro e de interculturalidade

9 a 12 Novembro

“Conversas no Bairro” (CnB) é o primeiro ciclo de conversas com a artista e comendadora Celina Pereira. Um novo projeto promovido pela Associação Welcome & Arts em parceria com o Teatro do Bairro. Celina Pereira nasceu na ilha da Boavista, em Cabo Verde. A viver em Portugal desde 1970, assume-se como uma eterna apaixonada pela cultura e em especial pela da língua portuguesa. Para além das suas inúmeras valências - professora, cantora, contadora de histórias - é reconhecida por muitos como uma comunicadora nata. A paixão pela música falou sempre mais alto e nos últimos anos tem dedicado grande parte do seu tempo entre cantos e contos. CnB pretende ser um ponto de encontro e de interculturalidade. A artista promete surpresas e agradáveis serões

 

Conversas no Bairro
MICAS CABRAL

9 Novembro

Quinta . 21h30
Entrada livre (sujeito a reserva*)

Luís Borja Cabral, um artista de excelência: músico compositor e produtor, mais conhecido por Micas Cabral será o primeiro artista deste ciclo de conversas. Um dos mais carismáticos músicos da Guiné Bissau e dono de uma voz impar, fundador da mítica banda Tabanka Djaz​, banda que levou os ritmos da Guiné aos quatro cantos do mundo.

 

Conversas no Bairro
COUPLE COFFEE

10 Novembro

Sexta . 21h30
Entrada livre (sujeito a reserva*)

Luanda Cozetti e Norton Daiello são os Couple Coffee! Dois talentosos músicos, conhecidos pela sua vibrante alegria dentro e fora de palco. Os Couple Coffee prometem uma sessão bastante animada onde irão partilhar connosco um pouco do seu mais recente trabalho: Fausto Food.

Conversas no Bairro
TITO PARIS

11 Novembro

Sábado . 21h30
Entrada livre (sujeito a reserva*)

Aristides Paris, mais conhecido por Tito Paris, é dos maiores embaixadores da música de Cabo Verde em Portugal e por todo o mundo. Neste ano de 2017, a carreira do artista ficará marcada pelo seu mais recente trabalho Mim ê Bô e sua condecoração com o grau de Comendador de Ordem do Mérito atribuído pelo Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa

 

* Reservas: 968 995 197 / info@welcomepeopleandarts.org
Todos são bem-vindos a entrar e participar nestas conversas.
Sugestão de donativo 5€ a 10€ para face aos custos com a organização.
O contributo de todos será importante para sustentabilidade do projeto.

 

Evento
MATINÉ CUBANA
Ciclo de matinés temáticas

12 Novembro

Domingo . 17h00
10€ (par)

Uma viagem até Cuba no centro de Lisboa. Duas horas de muito ritmo que nos levam a viajar até Cuba, primeiro com um workshop de salsa cubana com os bailarinos profissionais Máximo Zequeira e Francesca Negro, seguido de baile Cubano, bar com cocktails e bebidas temáticas. Uma matiné que promete muito ritmo de animação. M/6 . 150’

O Teatro do Bairro

O Teatro Bairro        Cartão de Amigo

Situado em pleno Bairro Alto, na Rua Luz Soriano, nº 63, o Teatro do Bairro ocupa o espaço onde durante décadas funcionou a rotativa do Diário Popular, mesmo ao lado da Escola de Música do Conservatório Nacional. Inaugurado em 2011, foi um marco no percurso artístico da Ar de Filmes - produtora de teatro e cinema que o adquiriu - criando assim um diálogo direto e permanente com o seu público, abrindo ainda caminho para a fidelização de novos espectadores. Sob a direção do produtor Alexandre Oliveira e do encenador António Pires, funciona, por um lado, como a casa das criações artísticas da Ar de Filmes e da sua companhia de teatro e, por outro, como espaço de acolhimento de pequenas estruturas que, não tendo lugar nos grandes teatros municipais da cidade, não teriam onde apresentar os seus espetáculos. A par das propostas de acolhimento, estabeleceram-se ainda protocolos de intercâmbio com estruturas de outras zonas do país, que prevêem o acolhimento anual de, pelo menos, uma produção dessas companhias no Teatro do Bairro e vice-versa. São exemplos destes intercâmbios a Ao Cabo Teatro (do Porto, com direção artística de Nuno Cardoso) e o Teatro da Terra (de Ponte de Sor, com direção artística de Maria João Luís).

O interesse da abertura do Teatro do Bairro para a cidade não se esgota, no entanto, no projeto artístico da Ar de Filmes. Localizado num local histórico de fruição artística por excelência, proporciona também o convívio entre diferentes artes performativas contemporâneas, com uma programação plural e abrangente que garante a circulação de diferentes artistas e públicos. Desenvolvemos as nossas próprias produções, mas acolhemos também espetáculos de outros criadores de teatro, e ainda de música, cinema e dança. Acreditamos que a programação interdisciplinar que praticamos, incrementada na nossa própria criação, promove trocas e contaminações desejadas, que enriquecem todos os intervenientes. Criámos em Lisboa uma nova sala de teatro, uma nova sala de cinema, uma nova sala de concertos, um novo espaço de tertúlia e um novo local de encontro dos cidadãos com as diferentes artes e os seus criadores.

Seja bem-vindo ao Teatro do Bairro!

Visite também o site da Ar de Filmes

Cartão de Amigo

O Teatro Bairro    Cartão de Amigo     Ficha de Adesão

O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro atribui um desconto de 50% em todos os eventos e espetáculos, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros). O desconto é feito mediante a apresentação do cartão na bilheteira e não é acumulável com outros descontos em vigor. O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem um custo de 10€ e é válido durante 12 meses. A adesão faz-se na bilheteira do Teatro do Bairro.

Regulamento

1 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido pela Ar de Filmes e visa atribuir um desconto de 50% na aquisição de bilhetes para os eventos e espetáculos no Teatro do Bairro, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros).

2 - O desconto obtido através do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não é acumulável com outros descontos em vigor.

3 - O desconto atribuído pelo Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não tem qualquer valor monetário, sendo expressamente proibida a sua venda ou troca por dinheiro.

4 - Sempre que pretenda usufruir do desconto do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, o seu titular deverá fazer essa menção no ato da compra do bilhete, apresentando também o cartão.

5 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é válido apenas quando apresentado na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63 ou na Rua dos Caetanos, nº 26, no caso de eventos com venda de bilhetes nesta entrada.

6 – O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pode não ser válido, excecionalmente, para eventos devidamente identificados no programa.

7 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é feita exclusivamente na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63, mediante o preenchimento de uma ficha de adesão e o pagamento de uma anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

8 – A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não pode ser feita na entrada da Rua dos Caetanos, nº 26.

9 - No ato de adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido um documento provisório igualmente válido, que poderá ser utilizado de imediato para usufruir do desconto.

10 – Logo que o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro estiver disponível, o seu titular será informado por email, podendo levantá-lo posteriormente no Teatro do Bairro, dentro do horário de funcionamento da bilheteira.

11 – Os dados pessoais dos titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro serão utilizados única e exclusivamente para divulgação da programação do Teatro, caso assim o desejem, garantindo a Ar de Filmes a sua total confidencialidade.

12 – Os titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro receberão, via e-mail, convite para a estreia de todos os espetáculos de teatro produzidos pela Ar de Filmes com apresentação no Teatro do Bairro, sendo esse convite sujeito a confirmação telefónica, mediante a lotação da sala.

13 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem a validade de um ano, podendo ser renovado na bilheteira do Teatro do Bairro.

14 – A renovação do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro por mais 12 meses implica o pagamento de nova anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

15 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é pessoal e intransmissível, pelo que poderá ser exigido ao titular a apresentação de um documento identificativo.

16 - Para ser considerado válido, o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro deverá ser mantido em bom estado de conservação, não podendo estar ilegível nem danificado.

17 - A Ar de Filmes reserva-se o direito de anular a um titular o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, caso seja detetada fraude ou utilização indevida.

18 - A Ar de Filmes não se responsabiliza por eventuais extravios do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro.

19 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pressupõe o conhecimento e a aceitação na íntegra deste regulamento.

A Companhia

Teatro do Bairro

 

A Companhia    Para Digressão   Brevemente   
Histórico da Companhia

 

Com a abertura do Teatro do Bairro em 2011, criou-se também uma nova companhia de teatro, que nasce já com oito espetáculos no curriculum e uma experiência de sete anos de produções: a Companhia Teatro do Bairro. O grupo de autores, atores, técnicos e colaboradores que, ao longo dos anos, foram trabalhando com a Ar de Filmes - nomeadamente nos seus projetos teatrais - encontrou finalmente uma casa onde pode sedimentar e desenvolver o seu trabalho de forma regular e continuada. A gestão própria dos timings de ensaios e das temporadas das suas criações, sem os habituais constrangimentos inerentes aos calendários sempre muito preenchidos das tradicionais salas de espetáculos, possibilitou assim a consolidação desta companhia teatral, através de uma reflexão ininterrupta que contagia as criações e afirma o caminho artístico previamente traçado. Na direção artística da Companhia Teatro do Bairro está António Pires, que tem desenvolvido um trabalho que se poderia designar como "Teatro Coreográfico" - onde o texto e as imagens se fundem como se de uma coreografia se tratasse. Ao longo do seu percurso artístico, tem apresentado trabalhos a convite de várias entidades, mas é na Companhia Teatro do Bairro que desenvolve o seu trabalho autoral como encenador.

Atualmente, a Companhia do Teatro do Bairro conta com 14 colaboradores fixos, dos quais fazem parte quatro atores que integram regularmente os seus elencos, aos quais se juntam habitualmente atores convidados.

Veja aqui o histórico da Companhia

Veja aqui as encenações de António Pires

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia   Para Digressão   Brevemente

 

MANA, SOLTA A GATA

a partir do universo de Adília Lopes

Duas mulheres gordas. Muito gordas. Tão gordas que andam devagar. Quase não andam. Mas andam e dizem as coisas que a Adília Lopes escreveu, bem devagar. O espectáculo é uma coreografia oriental lenta. Mas só tem 1h30 e, por isso, passa-se rápido. Têm muito que fazer. Há um homem. É mau. Usa botas, cartola e bigode antigo em W. O homem guarda o espaço onde as mulheres fazem o que têm de fazer. Às vezes parece um domador de mulheres gordas. Nada disto é grotesco. Nem o movimento, nem a actuação. É hiper-realista. E tem música a pontuar toda a coreografia. Por isso, “Mana, Solta a Gata” é um Musical Hiper-realista.

Adaptação, dramaturgia, concepção cénica e encenação: António Pires | Com: Hugo Mestre Amaro, João Araújo, Rafael Fonseca | Figurinos: Luís Mesquita | Desenho de Luz: Vasco Letria | Apoio Coreográfico: Paula Careto | Costureira: Rosário Balbi | Adereços: Carla Freire | Ilustração: Joana Vilaverde | Assistente de Encenação: Tomás Nolasco | Administração Financeira: Ana Bordalo | Assessoria de Imprensa: Isabel Marques | Coordenação de Produção: Andreia Luís | Produtor: Alexandre Oliveira | M/14
estreia no Teatro do Bairro
digressão ao Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada).

 

 

Pedido de Informações

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia   Para Digressão   Brevemente

 

3 a 20 de agosto

Museu Arqueológico do Carmo

UBU REI

Terça a domingo . 21h30
16€

“Uma comédia com 15 atores que ocupará os primeiros dias de agosto no magnífico espaço ao ar livre do Museu Arqueológico do Carmo.

Em 1888, Alfred Jarry e os seus colegas de escola decidiram parodiar o aspeto grotesco e boçal do seu professor de física, constantemente alvo do ridículo por parte dos alunos. Assim nasce “Rei Ubu”, que o autor criou para representar a terrível natureza animal do Homem, expondo o nível de crueldade e desumanidade a que se consegue chegar a partir de uma simples situação de poder.
Ubu assassina o rei Venceslau e usurpa o trono da Polónia. Ao longo de uma sucessão de episódios absurdos, exerce o seu reinado de forma brutal e sanguinária, deixando o país na miséria. Figura monstruosa e corrupta, mas acima de tudo, covarde, estúpida e ridícula (de tal maneira, que dá vontade de rir), Ubu pratica uma política catastrófica em seu próprio interesse, arruinando todo o território à sua volta. Uma metáfora assustadora que, ciclicamente, vai encontrando ecos na realidade política internacional.

Título original: Ubu Roi; Autor: Alfred Jarry; A partir da versão de Luís de Lima e Alexandre O’Neill; Encenação: António Pires; Assistência de encenação: Carolina Campanela; Com: Alexandra Rosa, João Araújo, Mário Sousa, Rafael Fonseca; Elenco Act School: Filipa Louceiro, Joana Flora, João Redondo, Mafalda Berenguer, Margarida Alves de Brito, Maria Vitorino, Mariana Branco de Sousa, Miguel Carvalho Pinto, Renato Terêso, Rita Ramos Mendes, Vera Moura; Conceção cenográfica: António Pires com Alexandre Oliveira; Figurinos: Dino Alves; Caracterização: Ivan Coletti; Desenho de luz: Rita Louzeiro; Banda sonora: Paulo Abelho; Movimento: Paula Careto; Ilustração: Joana Villaverde; Direção de produção: Ivan Coletti; Comunicação: Isabel Marques; Administração de produção: Ana Bordalo; Produtor: Alexandre Oliveira; Co-Produção: Act School; Produção: Ar de Filmes / Teatro do Bairro. M/12

Contactos

 

Teatro do Bairro

Rua Luz Soriano, 63 (Bairro Alto),1200-246 Lisboa, Portugal

RESERVAS* APENAS POR TELEFONE
21 347 33 58 ou 91 321 12 63 (15h - 19h)

 

VENDAS e LEVANTAMENTO DE RESERVAS*
Na bilheteira, uma hora antes do espetáculo


* Fazemos reservas apenas para espectáculos de teatro e dança.
* As reservas devem ser levantadas até 15 minutos antes da hora do espectáculo

 

Para propostas de acolhimento, envie e-mail para
teatrodobairro.geral@gmail.com

 

ACESSOS
Metro: Baixa-Chiado (linhas verde e azul)
Autocarros: 758 e 790 . Elétrico: 28 . Elevador: Bica
Estacionamento: Parques do Largo de Camões e Calçada do Combro

 

Ar de Filmes, lda

Rua da Cova da Moura nº2, 4º Dto, 1350-117 Lisboa , Portugal
213 420 810 | 918 570 774
ardefilmesgeral@gmail.com
www.ardefilmes.org