ESTA SEMANA

 

Programa Teatro do Bairro

Programação

 

Teatro        Música

 

18 a 21 Fevereiro

A CANTORA CARECA

Quinta-feira a domingo . 21h30
6€

A história passa-se no interior de Inglaterra e mostra o quotidiano de dois casais (Os Smith e os Martin), da empregada Mary e do Comandante dos Bombeiros. De conversas banais e com pouco sentido, até palavras desarticuladas que se limitam a sons, e num crescente clima de violência, a peça vai-se desenvolvendo. Considerada pelo autor uma “anticomédia”, o texto conservou também o absurdo nos diálogos, marcados por clichês e futilidades. Os absurdos nas conversas levam os seis personagens à completa incomunicabilidade, através do diálogo inexplicável. A obra procura ilustrar o absurdo da existência humana de forma cómica, assim como o distanciamento e a frieza na comunicação entre as pessoas. O foco central da peça é a linguagem, fazendo uma referência a um tenebroso futuro para as relações humanas e, consequentemente, para a comunicação: a impossibilidade de diálogo entre as pessoas.

Texto original: Eugène Ionesco; Adaptação, Tradução, Concepção Cénica, Encenação, Figurinos, Desenho de Luz e Administração de Produção: Mónica Santos; Interpretação: Clara Rodrigues, Shaquill Carvalho, Fábio Vasconcelos, Maria Toscano, Cristiana Mendes e André Louro; Produção: Noyob. Duração: 1h15; M/12.

 

25 Fevereiro a 12 Março

THE MOTHERF**KER WITH THE HAT

Quinta, Sexta e Sábado . 21h00
Sexta e Sábado . 10€
Quinta . 5€

A peça “The Motherfu**er with the Hat” é uma comédia estridente entre dois amantes com uma relação autodestrutiva e os amigos que os rodeiam e alimentam este relacionamento. Jackie é um ex-traficante, adicto, que acaba de ser libertado da prisão e está a tentar manter-se sóbrio através do programa dos AA. Continua apaixonado pela sua namorada de infância, Verónica, que é viciada em cocaína. Ralph D. é o “falinhas mansas” de Jackie. Um padrinho ligeiramente asneirento, com um desejo irreprimível de uma vida de tofu, yoga e chá de tisanas. Ralph D. é casado com a amargurada Victoria, que sente uns calores por Jackie. E depois há ainda Júlio, primo de Jackie. Um gay excessivamente sensível com alguns problemas de amor. Tudo parece estar a ir bem na vida de Jackie até ao repentino aparecimento de um misterioso chapéu masculino no apartamento de Jackie e Veronica. Uma traição sexual repleta de desconsideração e de episódios “acidentais” que vai desde a alta comédia ao desespero puro, enquanto as personagens tentam, apaixonadamente, trazer a verdade a suas casas, ao mesmo tempo que lidam com um dos paradoxos mais dolorosos da natureza humana: como boas almas podem ser filhas da puta e vice-versa.

De: Stephen Adly Guirgis; Encenação: John Frey; Elenco: Tiago Felizardo, Matilde Breyner, Tiago Fernandes, Salvador Nery e Ana Baptista; Assistente de Encenação: Carolina Abrantes; Desenho de Luz: Ricardo Ladeira; Cenografia: Beatriz Realista; Arranjo Musical: John Frey; Direção de Palco: Joana Ruela; Comunicação: Pedro Caetano; Tradução e adaptação: John Frey Studio for Actors (JFSA); Produção: John Frey Studio for Actors (JFSA). Duração: 1h40m; M/18.

Programação

 

Teatro        Música

 

8 Fevereiro

“SOUL TRAIN” REVIVAL
Os COMPOTAS & thaHornySexion

Dj Yls + Masta B Selecta

Segunda (Carnaval) . 23h50
6€

Cinco irmãos de diferentes pais – os Compotas - entraram acidentalmente numa máquina do tempo. Podia ter sido catastrófico, não tivessem eles retornado à era do funk! E, desde então, começaram a semeá-lo! Primeiro, o Algarve. Depois, Lisboa. E já depois da investida por todo o Portugal e até no ‘estrangêre’, juntaram-se mais aliados do groove: os “tha HornySexion”! Tudo se proporciona para que a pregação do funk se reinicie! Aterrada a nave em Lisboa, a proposta para o descalabro neste Carnaval é o revivalismo do famoso programa “Soul Train”. Juntam-se ainda Djs do culto: YLS e Masta B. Selecta. A menina bonita não veste, mas também não dança! Só entra quem estiver vestido a rigor.

Os Compotas: Ed Hoster (Edgar Valente): voz e teclados; Sweet Paulie (Paulo Lourenço): baixo; John Tuffo (João Aguiar): guitarra; Drum O’Corner (Fábio Cantinho): bateria; King Conga (Tiago Vicente): percussão.
&thaHornySexion: Funk’a Clau (Cláudio Gomes) / Mr. Ya (Yaw Tembe): trompete; Raff’a Pipól (Rafael Pessoa) /Jony Boy (João Marques): saxophone; Mr. Yu (Yuri Antunes): trombone; Shakiriza (Eloísa d’Ascenção): voz feminina; G’rooben (Rúben Nunes): percussão.
Djs: YLS; Masta B Selecta.
M/ 16

 

13, 20 e 27 Fevereiro

THE ARCADIA

Sábados . 23h50
10€* até às 02h
12€* depois das 02h
*inclui duas bebidas

Os Erasmus chegaram ao Teatro do Bairro! Numa parceria entre a Erasmus Life Lisboa e a Royal Events, todos os sábados haverá uma festa especialmente pensada para estes estudantes internacionais, num ambiente cosmopolita e extravagante, com ritmo, cor e uma animação diferente da habitual nas festas portuguesas. Na cabine poderão estar DJs como os excêntricos D.M.A. e o Dj Dresh, entre outros. Lisboa tem vindo a ser um dos grandes destinos do turismo europeu e quem nos visita quer sempre uma boa festa. No Teatro do Bairro, a animação está mais que garantida!

 

19 Fevereiro

MARIA LISBOA

sexta-feira . 23h30
10€

Queres ir ao teatro dançar?!! Pois é, este é o desafio: dia 19 de Fevereiro, Maria Lisboa vai mostrar-te como podes ser protagonista do teu musical. Vem dançar a tua banda sonora, na companhia do melhor staff, com a tua música preferida e claro com a tu@ trupe!!!! Onde nos vamos encontrar?! No Teatro do Bairro, claro!

 

26 Fevereiro

THE NUDE

Concerto SPA . Novas Bandas, Novas Músicas
Com o apoio da SPA - Sociedade Portuguesa de Autores

Sexta . 23h30
5€

“um excelente espectáculo com um entertainer à altura, direito a groupies histéricas em ‘Bye-Bye’, muito à vontade em palco e uma conexão perfeita com a plateia. os The Nude têm algo que prende as atenções do princípio ao fim; não se sabe de onde saíram, mas espera-se que cheguem a algum lado depressa”. assim rezava a crítica, publicada no Blitz em dezembro de 2004, a um de vários concertos que nesse ano os The Nude deram no Santiago Alquimista. coisas da vida, sobretudo coisas que as pessoas fazem para ganhar a vida, interromperam o percurso, iniciado em 1998, desta banda lisboeta que sempre se assumiu como A Melhor Ilustre Desconhecida Banda do Mundo. os The Nude pisaram os mais emblemáticos palcos de Lisboa (Ritz Club, Paradise Garage, Santiago Alquimista, Caixa Económica Operária, etc) no final da década de 90 e início dos anos 2000. tiveram de parar, muito tempo, demasiado tempo; em 2015 voltaram a ensaiar, por saudades, porque a música fica nas pessoas e porque havia algo ainda por concretizar. 2016 é o ano em que a sua história vai continuar a ser escrita e a parte do lustre Desconhecida tem de ser retirada do auto-epíteto. a continuação da história dos The Nude começa a ser escrita no palco do Teatro do Bairro. segue-se o, nunca conseguido, disco. está tudo pronto para reunir nov@s histéric@s groupies. “the nude are alive, so: reunite”.

voz: hugo mestre amaro; sintetizadores: filipe luig; guitarra: rui paredes; bateria: nuno francisco; baixo: pedro venturini. aftershow dj set: dj explöding böy.o!

O Teatro do Bairro

O Teatro Bairro        Cartão de Amigo

Situado em pleno Bairro Alto, na Rua Luz Soriano, nº 63, o Teatro do Bairro ocupa o espaço onde durante décadas funcionou a rotativa do Diário Popular, mesmo ao lado da Escola de Música do Conservatório Nacional. Inaugurado em 2011, foi um marco no percurso artístico da Ar de Filmes - produtora de teatro e cinema que o adquiriu - criando assim um diálogo direto e permanente com o seu público, abrindo ainda caminho para a fidelização de novos espectadores. Sob a direção do produtor Alexandre Oliveira e do encenador António Pires, funciona, por um lado, como a casa das criações artísticas da Ar de Filmes e da sua companhia de teatro e, por outro, como espaço de acolhimento de pequenas estruturas que, não tendo lugar nos grandes teatros municipais da cidade, não teriam onde apresentar os seus espetáculos. A par das propostas de acolhimento, estabeleceram-se ainda protocolos de intercâmbio com estruturas de outras zonas do país, que prevêem o acolhimento anual de, pelo menos, uma produção dessas companhias no Teatro do Bairro e vice-versa. São exemplos destes intercâmbios a Ao Cabo Teatro (do Porto, com direção artística de Nuno Cardoso) e o Teatro da Terra (de Ponte de Sor, com direção artística de Maria João Luís).

O interesse da abertura do Teatro do Bairro para a cidade não se esgota, no entanto, no projeto artístico da Ar de Filmes. Localizado num local histórico de fruição artística por excelência, proporciona também o convívio entre diferentes artes performativas contemporâneas, com uma programação plural e abrangente que garante a circulação de diferentes artistas e públicos. Desenvolvemos as nossas próprias produções, mas acolhemos também espetáculos de outros criadores de teatro, e ainda de música, cinema e dança. Acreditamos que a programação interdisciplinar que praticamos, incrementada na nossa própria criação, promove trocas e contaminações desejadas, que enriquecem todos os intervenientes. Criámos em Lisboa uma nova sala de teatro, uma nova sala de cinema, uma nova sala de concertos, um novo espaço de tertúlia e um novo local de encontro dos cidadãos com as diferentes artes e os seus criadores.

Seja bem-vindo ao Teatro do Bairro!

Visite também o site da Ar de Filmes

Cartão de Amigo

O Teatro Bairro    Cartão de Amigo     Ficha de Adesão

O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro atribui um desconto de 50% em todos os eventos e espetáculos, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros). O desconto é feito mediante a apresentação do cartão na bilheteira e não é acumulável com outros descontos em vigor. O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem um custo de 10€ e é válido durante 12 meses. A adesão faz-se na bilheteira do Teatro do Bairro.

Regulamento

1 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido pela Ar de Filmes e visa atribuir um desconto de 50% na aquisição de bilhetes para os eventos e espetáculos no Teatro do Bairro, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros).

2 - O desconto obtido através do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não é acumulável com outros descontos em vigor.

3 - O desconto atribuído pelo Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não tem qualquer valor monetário, sendo expressamente proibida a sua venda ou troca por dinheiro.

4 - Sempre que pretenda usufruir do desconto do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, o seu titular deverá fazer essa menção no ato da compra do bilhete, apresentando também o cartão.

5 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é válido apenas quando apresentado na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63 ou na Rua dos Caetanos, nº 26, no caso de eventos com venda de bilhetes nesta entrada.

6 – O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pode não ser válido, excecionalmente, para eventos devidamente identificados no programa.

7 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é feita exclusivamente na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63, mediante o preenchimento de uma ficha de adesão e o pagamento de uma anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

8 – A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não pode ser feita na entrada da Rua dos Caetanos, nº 26.

9 - No ato de adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido um documento provisório igualmente válido, que poderá ser utilizado de imediato para usufruir do desconto.

10 – Logo que o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro estiver disponível, o seu titular será informado por email, podendo levantá-lo posteriormente no Teatro do Bairro, dentro do horário de funcionamento da bilheteira.

11 – Os dados pessoais dos titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro serão utilizados única e exclusivamente para divulgação da programação do Teatro, caso assim o desejem, garantindo a Ar de Filmes a sua total confidencialidade.

12 – Os titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro receberão, via e-mail, convite para a estreia de todos os espetáculos de teatro produzidos pela Ar de Filmes com apresentação no Teatro do Bairro, sendo esse convite sujeito a confirmação telefónica, mediante a lotação da sala.

13 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem a validade de um ano, podendo ser renovado na bilheteira do Teatro do Bairro.

14 – A renovação do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro por mais 12 meses implica o pagamento de nova anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

15 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é pessoal e intransmissível, pelo que poderá ser exigido ao titular a apresentação de um documento identificativo.

16 - Para ser considerado válido, o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro deverá ser mantido em bom estado de conservação, não podendo estar ilegível nem danificado.

17 - A Ar de Filmes reserva-se o direito de anular a um titular o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, caso seja detetada fraude ou utilização indevida.

18 - A Ar de Filmes não se responsabiliza por eventuais extravios do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro.

19 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pressupõe o conhecimento e a aceitação na íntegra deste regulamento.

A Companhia

Teatro do Bairro

 

A Companhia    Em Cena    Em Digressão    Para Digressão

 

Com a abertura do Teatro do Bairro em 2011, criou-se também uma nova companhia de teatro, que nasce já com oito espetáculos no curriculum e uma experiência de sete anos de produções: a Companhia Teatro do Bairro. O grupo de autores, atores, técnicos e colaboradores que, ao longo dos anos, foram trabalhando com a Ar de Filmes - nomeadamente nos seus projetos teatrais - encontrou finalmente uma casa onde pode sedimentar e desenvolver o seu trabalho de forma regular e continuada. A gestão própria dos timings de ensaios e das temporadas das suas criações, sem os habituais constrangimentos inerentes aos calendários sempre muito preenchidos das tradicionais salas de espetáculos, possibilitou assim a consolidação desta companhia teatral, através de uma reflexão ininterrupta que contagia as criações e afirma o caminho artístico previamente traçado. Na direção artística da Companhia Teatro do Bairro está António Pires, que tem desenvolvido um trabalho que se poderia designar como "Teatro Coreográfico" - onde o texto e as imagens se fundem como se de uma coreografia se tratasse. Ao longo do seu percurso artístico, tem apresentado trabalhos a convite de várias entidades, mas é na Companhia Teatro do Bairro que desenvolve o seu trabalho autoral como encenador.

Atualmente, a Companhia do Teatro do Bairro conta com 14 colaboradores fixos, dos quais fazem parte quatro atores que integram regularmente os seus elencos, aos quais se juntam habitualmente atores convidados.

Veja aqui o histórico da Companhia

Veja aqui as encenações de António Pires

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia    Em Cena    Em Digressão    Para Digressão

 

Novembro a Abril 2015

AUTO DA BARCA DO INFERNO

Maioritariamente dirigido ao público escolar
Mosteiro dos Jerónimos

António Pires aproveita a crítica mordaz, inteligente e intemporal para criar um espetáculo onde a proximidade com o público e a sociedade atual nos obriga a refletir sobre a nossa condição de "tipos". A forma de representar e a música contemporânea relacionam-se com a forma como os jovens se comportam hoje em dia, os seus grupos e os seus tipos, para que se crie uma maior empatia e identificação junto do público escolar, ao qual é maioritariamente dirigido o espetáculo. Do jogo entre os atores resulta um espetáculo divertido, com ritmo e ação, sem nunca descurar o lado pedagógico inerente ao projeto. O texto é representado na íntegra.

Site Auto da Barca do Inferno

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia   Em Cena   Em Digressão    Para Digressão

 

QUATRO SANTOS EM TRÊS ACTOS

Gertrude Stein

7 Março

Teatro Victoria Eugénia
Donostia / San Sebastian - Capital Europeia da Cultura

“Quatro Santos em Três Actos” (“Four Saints in Three Acts” ) é uma ópera de 1927, com composição de Virgil Thomson e libretto de Gertrude Stein, incluindo cerca de vinte santos, reais e imaginados e consistindo de pelo menos quatro actos e um prelúdio. Construiu-se um diálogo dramatúrgico, coreográfico e de intervenção sonoplástica com esta ópera pré-existente, que passa em fundo durante o espectáculo. O texto é bilingue, traduzindo por vezes o que se passa na ópera, mas outras vezes recriando ou parodiando a acção e o pré-texto pela rescrita, pelo comentário e de todas as formas interagindo pela voz, pela distorção do som, pela nova representação.
Sobre "Four Saints" disse Gertrude Stein, numa das suas conferências na América: "Fiz dos santos a paisagem. Todos os santos que eu fiz e fiz bastantes porque afinal há na paisagem muitos bocados de coisas e todos estes santos juntos fizeram a minha paisagem." (...) A tradução é obviamente uma versão, construída numa linha soluçante que vai da literalidade, o que quer que isso queira dizer, à criação de texto original (...). Mas um texto desta natureza pede criação: e ela aparece de vez em quando sob a forma de paródia quase trava-línguas dos poemas barrocos de Santa Teresa

Luísa Costa Gomes

Um espectáculo de: António Pires | Libreto: Gertrude Stein | Versão Cénica: Luísa Costa Gomes | Música: Virgil Thomson

Com: Francisco Tavares, Leonor Keil, Pedro Sousa, Solange Santos, Tiago Careto

Elenco ACT: Andreia Cabral, Carolina Campanela, Carolina Serrão, Catarina Félix, Catarina Moreira Pires, Cláudia Alfaiate, Diogo Leite, Diogo Xavier, Filipa Feliciano, Frances Edward, Francisco Vistas, Jaime Baeta de Almeida, João Maria, Lourenço Seruya, Mafalda Rodrigues, Rita Sereno

Cenografia: João Mendes Ribeiro | Construção Cenário: Gonçalo Pires, Ivna Carvalho, Sacha Cardoso | Figurinos: Luís Mesquita | Mestra Costureira: Rosário Balbi | Costureiras: Maria José Baptista, Palmira Abranches | Assistente de Figurinos (estagiária): Joana Gonçalves | Desenho de Luz: Vasco Letria | Operação de Luz: Filipe Pacheco | Movimento: Paula Careto | Sonoplastia: Paulo Abelho | Operação de Som: Kevin de Amaral | Assistente de Encenação: Ivan Coletti | Bilheteira/Frente de Sala: Luís Mesquita | Direcção de Cena: Hugo Mestre Amaro, Rafael Fonseca | Ilustração do Cartaz: Joana Villaverde | Direcção de Produção: Manecos Vila-Nova | Assessoria de Imprensa: Isabel Marques | Administração de Produção: Ana Bordalo | Produtor: Alexandre Oliveira | Co-produção: Act – School | Produção: Ar de Filmes/Teatro do Bairro | M/12

Apoios: Plural, CCB, São Luiz Teatro Municipal, Paulo Vieira e Clara Andermatt

ESPECTÁCULO INSERIDO NA PROGRAMAÇÃO DO 32º FESTIVAL DE ALMADA

Estreia: Teatro do Bairro

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia    Em Cena    Em Digressão    Para Digressão

 

MANA, SOLTA A GATA

a partir do universo de Adília Lopes

Duas mulheres gordas. Muito gordas. Tão gordas que andam devagar. Quase não andam. Mas andam e dizem as coisas que a Adília Lopes escreveu, bem devagar. O espectáculo é uma coreografia oriental lenta. Mas só tem 1h30 e, por isso, passa-se rápido. Têm muito que fazer. Há um homem. É mau. Usa botas, cartola e bigode antigo em W. O homem guarda o espaço onde as mulheres fazem o que têm de fazer. Às vezes parece um domador de mulheres gordas. Nada disto é grotesco. Nem o movimento, nem a actuação. É hiper-realista. E tem música a pontuar toda a coreografia. Por isso, “Mana, Solta a Gata” é um Musical Hiper-realista.

Adaptação, dramaturgia, concepção cénica e encenação: António Pires | Com: Hugo Mestre Amaro, João Araújo, Rafael Fonseca | Figurinos: Luís Mesquita | Desenho de Luz: Vasco Letria | Apoio Coreográfico: Paula Careto | Costureira: Rosário Balbi | Adereços: Carla Freire | Ilustração: Joana Vilaverde | Assistente de Encenação: Tomás Nolasco | Administração Financeira: Ana Bordalo | Assessoria de Imprensa: Isabel Marques| Coordenação de Produção: Andreia Luís | Produtor: Alexandre Oliveira | M/14
estreia no Teatro do Bairro
digressão ao Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada).

 

 

Pedido de Informações

Contactos

 

Teatro do Bairro

Rua Luz Soriano, 63 (Bairro Alto),1200-246 Lisboa, Portugal

INFORMAÇÕES E RESERVAS APENAS POR TELEFONE

21 347 33 58 ou 91 321 12 63 (16h - 20h)

 

LEVANTAMENTO DE RESERVAS E VENDAS
Na bilheteira, uma hora antes do espetáculo

 

Para propostas de acolhimento, envie e-mail para
teatrodobairro.geral@gmail.com

 

ACESSOS
Metro: Baixa-Chiado (linhas verde e azul)
Autocarros: 758 e 790 . Elétrico: 28 . Elevador: Bica
Estacionamento: Parques do Largo de Camões e Calçada do Combro

 

Ar de Filmes, lda

R. D. Pedro V, nº60 . 1º dtº, 1250-094 Lisboa, Portugal
213 420 810 | 918 570 774

ardefilmesgeral@gmail.com

www.ardefilmes.org