ESTA SEMANA

 

Programa Teatro do Bairro

Programação

Teatro        Música        Cinema        Dança        Debate

 

31 Maio e 1 Junho

UMA NOITE DE CENAS

Terça e quarta . 21h30
5€

Os alunos do John Frey Studio for Actors apresentam em palco o seu trabalho final. Um conjunto de cenas adaptadas a partir de textos de David Mamet, Woody Allen, John Patrick Shanley e Stephen Adlis Gurgis, entre outros.

1h50; M/16

 

15 a 19 Junho

MINOTAURO

Quarta a sábado . 21h30
Domingo . 19h00
10 € . 7.50€ (estudantes, >65 e profissionais do espetáculo)
5€ (quinta-feira e portadores de Cartão de Amigo do Teatro do Bairro)

Nenhum de nós queria contar uma história. Só queríamos dizer coisas. Coisas importantes. Coisas importantes para nós, para nós os dois. Coisas que fizessem sentido para os dois. “Mas tem de haver uma história”, disse ele. Tem sempre de haver uma história, senão são só palavras umas à frente das outras. Iam ser oito cenas mais um prólogo e um epílogo, e pelo meio nós contávamos a nossa história, como nos conhecemos, como chegámos até aqui. Era uma história dos dois.

Texto: Miguel Graça; Direção: Dinarte Branco; Desenho de luz: Daniel Worm d’Assumção; Interpretação: David Esteves e Jani Zhao; 90’ (sem intervalo); M/16

 

23 a 26 Junho

A PEÇA

Quarta a sábado . 21h30
Domingo . 19h00
10 € . 7.50€ (estudantes, >65 e profissionais do espetáculo)
5€ (quinta-feira e portadores de Cartão de Amigo do Teatro do Bairro)

Uma peça classificável como tragédia, tragi-comédia ou comédia, pouco importa; nela se revêm as novas cenas teatrais, as novas tendências e criadores e tudo em Lisboa. Observação e sátira, especificidade e fatalismo, dedo na ferida de quem viu fazer, fez, quer fazer, ou simplesmente não sabe como se faz. Um encenador inexperiente e patologicamente inseguro; três atores mais ou menos cheios de si, maldizentes e esperançados. Uma peça sem salas, sem orçamento, sem elenco fechado, sem estreia, sem cem coisas mais. Um pequeno grupo que quer fazer teatro e nada de teatro se vê mas muito se vê do teatro, intriga, problemas, desânimos e A Peça por fazer.

Autor e encenador: Daniel Fialho; Assistente de encenação: Diogo Fernandes Andrade; Atores: Diogo Fernandes Andrade, Daniel Fialho, Liliana Leite, Miguel Valle; Som: Q.z; Luz: Vasco Letria; 60’; M/16.

Programação

 

Teatro        Música        Cinema        Dança        Debate

 

3 Junho

2º Aniversário

PATO BRAVO

Sexta . 23h30
5€

Os Pato Bravo fazem dois anos de existência e celebram o seu aniversário no Teatro do Bairro. Fundado em 2014 por Joana Cotrim e Pedro Sousa Loureiro, este grupo surgiu da vontade de criar peças de teatro, intervenções site specific em espaços convencionais e não convencionais (cruzando a vertente plástica, performativa e o canto lírico) com o objectivo de entreter, refletir e desafiar públicos e participantes. Um trabalho a partir de autores clássicos (ou nem tanto) mas na busca de novas formas dramatúrgicas. Criaram “OF OF MEDEIA ’14” (apresentado no Espaço Primeiros Sintomas), “MO NU MENTOS ’15” (apresentado no espaço da Companhia Olga Roriz) e venceram na categoria de Teatro dos Prémios Novos 2016 da Fundação Calouste Gulbenkian. Uma festa com DJ Set, videos, coros e concerto. M/12

 

10 Junho

Concerto SPA . Novas Bandas, Novas Músicas
Com o apoio da SPA - Sociedade Portuguesa de Autores

OS QUATRO E MEIA

Sexta . 23h30
8 €*
(Pré-venda de bilhetes na ticketline)

Os Quatro e Meia apresentam o seu espetáculo musical “Acústico, Como Sempre” pela primeira vez em Lisboa. Três vozes, guitarra, contrabaixo, violino, acordeão, bandolim e percussão juntam músicas originais e covers, numa tentativa de conferir novas sonoridades e olhares sobre a música portuguesa, em formato acústico.

 

17 Junho

BULLAZ#1

W/KHOPAT, HYKOMADNESS, REACT

Sexta . 23h30
3€ até às 00:30 . 5€ a partir das 00:30

Este evento foi criado com o intuito de juntar os amantes de música eletrónica num espaço acolhedor mesmo no coração de Lisboa. Como o nacional é bom, todos os artistas são portugueses. E preparem-se que vai ser uma noite que vai ficar na memória! Junta-te a nós nesta noite no bairro!

 

24 Junho

Society presents

GIRLIE CIRCUIT FESTIVAL

PRE-PARTY

Sexta . 23h45
10€

A Society traz até Lisboa a Pre-Party do maior festival lésbico da Europa, o Girlie Circuit Festival. Elas chegam de Barcelona e trazem o verão no corpo! Dj sets, live acts, gogo dancers, ofertas flash e grandes estreias na cabine da Society! Están listas?

Com DJs Bonnie & Clyde, Sheles e Sindykatz. M/18

 

25 Junho

Concerto Warm Up SBSR

ROCK ON! PARTY

CHIBAZQUI

Sexta . 23h30
3€ (inclui uma cerveja)

O Teatro do Bairro associa-se ao Super Bock Super Rock e apresenta a banda Chibazqui, num warm up pré-festival. O nome da banda começou com um erro: era para ser Chinaski, um roubo descarado a Bukowski, mas alguém se enganou a teclar e escreveu “Chibaski”. Daí ao aportuguesamento desavergonhado foi um pequeno passo. Ficou Chibazqui, nome estranho e sem significado, e em seu redor formou-se a banda, partindo do princípio de que é preciso lidar tranquilamente com o erro. A tranquilidade é um elemento fundamental na história ainda curta dos Chibazqui, um quarteto cuja ambição maior é fazer tudo com vagar, evitando ao máximo a preocupação e a ansiedade. E foi assim que, calmamente, Diego Armés (ex-Feromona), C de Croché, Filipe Sambado (Cochaise) e Silas Ferreira (Pontos Negros, Os Náufragos) foram construindo um álbum, sem forçar a música nem obrigar a lírica: tudo fluindo naturalmente. Se não fluiu, deixou-se a descansar, a amadurecer, e um dia destes talvez se volte lá. O segredo é não planear demasiado.

Programação

 

Teatro        Música        Cinema        Dança        Debate

 

2 e 3 Junho

NY PORTUGUESE SHORT FILM FESTIVAL

Quinta e Sexta . 21h00
5€

A sexta edição do NY Portuguese Short Film Festival (NYPSFF) acontece a 2 e 3 de Junho simultaneamente em Lisboa e Nova Iorque. Organizado pelo Art Institute pela primeira vez em 2011, tem como objetivo ampliar e conquistar novos públicos para o cinema português em todo o mundo. Mostrando o trabalho da nova geração de jovens realizadores portugueses, abre novas avenidas de cooperação cultural. Em 2015, o NYPSFF esteve também no Reino Unido, Austrália, China, Brasil, Angola, África do Sul, Polónia, Alemanha, Canadá e Senegal. As curtas metragens programadas para esta edição foram selecionadas por um júri composto por elementos do meio cinematográfico português, brasileiro e norte-americano.

 

2 Junho
Quinta. 21h30 . 69’
Pronto, era Assim Patrícia Rodrigues e Joana Nogueira
Deus Providenciará
Luís Porto
Tenho Um Rio
Ricardo Teixeira
Lei da Gravidade
Tiago Rosa-Rosso
Feral
Daniel Sousa

3 Junho
Sexta . 21h30 . 66’
Isa
Patricia Vidal Delgado
O Assalto
João Tempera
Prefiro Não Dizer
Pedro Augusto Almeida
Lingo
Vicente Nirō
Os Cravos e a Rocha
Luísa Sequeira

Programação

 

Teatro        Música        Cinema        Dança        Debate

 

10 Junho

ABSTAND

Sexta . 21h00
10€

“As pessoas gostam de manter certas distâncias de outras pessoas ou de objetos. E essa bolha de espaço invisível que constitui o ‘território’ de cada pessoa é uma das principais dimensões da sociedade moderna”. Eduard T. Hall

Qual a distância certa entre as pessoas ou a medida correta que separa indivíduos? A distância pode ser em milímetros, metros ou mesmo para sempre. A distância manifesta-se de forma física e emocional entre dois homens, existindo uma relação paradoxal onde a linguagem dos corpos estão em constante mutação. Abstand é um projeto de dança onde o conceito é gerar movimento, do mais simples ao mais complexo. Cada movimento por sua vez terá um profundo desejo em comunicar.

Conceção e coreografia: Luis Marrafa; Co-criação: Luis Marrafa e António Cabrita; Coordenação: Petra Van Gompel; Música original: Luis Marrafa; Música adicional: Thom Yorke; Desenho de luz: Luis Marrafa; Produção. Marrafa vzw; Apoios: GC De Markten, GC Nekkersdal, StairCase.studio BXL, O Espaço Do Tempo. 50’; M/6

Programação

 

Teatro        Música        Cinema        Dança        Debate

 

30 Maio

PENSAR LISBOA

Debate

Segunda . 19h00
Entrada Livre

Numa época de contrastes, a cidade de Lisboa tem assistido a um aumento de popularidade e de investimento cujo rumo tem dividido a opinião pública. O Fórum Turismo 2.1 tem o prazer de reunir algumas das vozes mais relevantes no panorama local para uma conversa informal sobre a sustentabilidade económica, cultural e social desta cidade. Duarte d’Eça Leal, co-fundador do The Independente Collective, será o anfitrião e moderador desta segunda edição do Opiniões em Debate.

O Teatro do Bairro

O Teatro Bairro        Cartão de Amigo

Situado em pleno Bairro Alto, na Rua Luz Soriano, nº 63, o Teatro do Bairro ocupa o espaço onde durante décadas funcionou a rotativa do Diário Popular, mesmo ao lado da Escola de Música do Conservatório Nacional. Inaugurado em 2011, foi um marco no percurso artístico da Ar de Filmes - produtora de teatro e cinema que o adquiriu - criando assim um diálogo direto e permanente com o seu público, abrindo ainda caminho para a fidelização de novos espectadores. Sob a direção do produtor Alexandre Oliveira e do encenador António Pires, funciona, por um lado, como a casa das criações artísticas da Ar de Filmes e da sua companhia de teatro e, por outro, como espaço de acolhimento de pequenas estruturas que, não tendo lugar nos grandes teatros municipais da cidade, não teriam onde apresentar os seus espetáculos. A par das propostas de acolhimento, estabeleceram-se ainda protocolos de intercâmbio com estruturas de outras zonas do país, que prevêem o acolhimento anual de, pelo menos, uma produção dessas companhias no Teatro do Bairro e vice-versa. São exemplos destes intercâmbios a Ao Cabo Teatro (do Porto, com direção artística de Nuno Cardoso) e o Teatro da Terra (de Ponte de Sor, com direção artística de Maria João Luís).

O interesse da abertura do Teatro do Bairro para a cidade não se esgota, no entanto, no projeto artístico da Ar de Filmes. Localizado num local histórico de fruição artística por excelência, proporciona também o convívio entre diferentes artes performativas contemporâneas, com uma programação plural e abrangente que garante a circulação de diferentes artistas e públicos. Desenvolvemos as nossas próprias produções, mas acolhemos também espetáculos de outros criadores de teatro, e ainda de música, cinema e dança. Acreditamos que a programação interdisciplinar que praticamos, incrementada na nossa própria criação, promove trocas e contaminações desejadas, que enriquecem todos os intervenientes. Criámos em Lisboa uma nova sala de teatro, uma nova sala de cinema, uma nova sala de concertos, um novo espaço de tertúlia e um novo local de encontro dos cidadãos com as diferentes artes e os seus criadores.

Seja bem-vindo ao Teatro do Bairro!

Visite também o site da Ar de Filmes

Cartão de Amigo

O Teatro Bairro    Cartão de Amigo     Ficha de Adesão

O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro atribui um desconto de 50% em todos os eventos e espetáculos, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros). O desconto é feito mediante a apresentação do cartão na bilheteira e não é acumulável com outros descontos em vigor. O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem um custo de 10€ e é válido durante 12 meses. A adesão faz-se na bilheteira do Teatro do Bairro.

Regulamento

1 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido pela Ar de Filmes e visa atribuir um desconto de 50% na aquisição de bilhetes para os eventos e espetáculos no Teatro do Bairro, sendo que o preço mínimo a pagar por bilhete é sempre de 5€ (cinco euros).

2 - O desconto obtido através do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não é acumulável com outros descontos em vigor.

3 - O desconto atribuído pelo Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não tem qualquer valor monetário, sendo expressamente proibida a sua venda ou troca por dinheiro.

4 - Sempre que pretenda usufruir do desconto do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, o seu titular deverá fazer essa menção no ato da compra do bilhete, apresentando também o cartão.

5 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é válido apenas quando apresentado na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63 ou na Rua dos Caetanos, nº 26, no caso de eventos com venda de bilhetes nesta entrada.

6 – O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pode não ser válido, excecionalmente, para eventos devidamente identificados no programa.

7 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é feita exclusivamente na bilheteira do Teatro do Bairro, na Rua Luz Soriano, nº 63, mediante o preenchimento de uma ficha de adesão e o pagamento de uma anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

8 – A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro não pode ser feita na entrada da Rua dos Caetanos, nº 26.

9 - No ato de adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é emitido um documento provisório igualmente válido, que poderá ser utilizado de imediato para usufruir do desconto.

10 – Logo que o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro estiver disponível, o seu titular será informado por email, podendo levantá-lo posteriormente no Teatro do Bairro, dentro do horário de funcionamento da bilheteira.

11 – Os dados pessoais dos titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro serão utilizados única e exclusivamente para divulgação da programação do Teatro, caso assim o desejem, garantindo a Ar de Filmes a sua total confidencialidade.

12 – Os titulares do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro receberão, via e-mail, convite para a estreia de todos os espetáculos de teatro produzidos pela Ar de Filmes com apresentação no Teatro do Bairro, sendo esse convite sujeito a confirmação telefónica, mediante a lotação da sala.

13 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro tem a validade de um ano, podendo ser renovado na bilheteira do Teatro do Bairro.

14 – A renovação do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro por mais 12 meses implica o pagamento de nova anuidade no valor de 10€ (dez euros), já com IVA incluído à taxa legal em vigor.

15 - O Cartão de Amigo do Teatro do Bairro é pessoal e intransmissível, pelo que poderá ser exigido ao titular a apresentação de um documento identificativo.

16 - Para ser considerado válido, o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro deverá ser mantido em bom estado de conservação, não podendo estar ilegível nem danificado.

17 - A Ar de Filmes reserva-se o direito de anular a um titular o Cartão de Amigo do Teatro do Bairro, caso seja detetada fraude ou utilização indevida.

18 - A Ar de Filmes não se responsabiliza por eventuais extravios do Cartão de Amigo do Teatro do Bairro.

19 - A adesão ao Cartão de Amigo do Teatro do Bairro pressupõe o conhecimento e a aceitação na íntegra deste regulamento.

A Companhia

Teatro do Bairro

 

A Companhia    Para Digressão   Brevemente   
Histórico da Companhia

 

Com a abertura do Teatro do Bairro em 2011, criou-se também uma nova companhia de teatro, que nasce já com oito espetáculos no curriculum e uma experiência de sete anos de produções: a Companhia Teatro do Bairro. O grupo de autores, atores, técnicos e colaboradores que, ao longo dos anos, foram trabalhando com a Ar de Filmes - nomeadamente nos seus projetos teatrais - encontrou finalmente uma casa onde pode sedimentar e desenvolver o seu trabalho de forma regular e continuada. A gestão própria dos timings de ensaios e das temporadas das suas criações, sem os habituais constrangimentos inerentes aos calendários sempre muito preenchidos das tradicionais salas de espetáculos, possibilitou assim a consolidação desta companhia teatral, através de uma reflexão ininterrupta que contagia as criações e afirma o caminho artístico previamente traçado. Na direção artística da Companhia Teatro do Bairro está António Pires, que tem desenvolvido um trabalho que se poderia designar como "Teatro Coreográfico" - onde o texto e as imagens se fundem como se de uma coreografia se tratasse. Ao longo do seu percurso artístico, tem apresentado trabalhos a convite de várias entidades, mas é na Companhia Teatro do Bairro que desenvolve o seu trabalho autoral como encenador.

Atualmente, a Companhia do Teatro do Bairro conta com 14 colaboradores fixos, dos quais fazem parte quatro atores que integram regularmente os seus elencos, aos quais se juntam habitualmente atores convidados.

Veja aqui o histórico da Companhia

Veja aqui as encenações de António Pires

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia   Para Digressão    Brevemente

 

MANA, SOLTA A GATA

a partir do universo de Adília Lopes

Duas mulheres gordas. Muito gordas. Tão gordas que andam devagar. Quase não andam. Mas andam e dizem as coisas que a Adília Lopes escreveu, bem devagar. O espectáculo é uma coreografia oriental lenta. Mas só tem 1h30 e, por isso, passa-se rápido. Têm muito que fazer. Há um homem. É mau. Usa botas, cartola e bigode antigo em W. O homem guarda o espaço onde as mulheres fazem o que têm de fazer. Às vezes parece um domador de mulheres gordas. Nada disto é grotesco. Nem o movimento, nem a actuação. É hiper-realista. E tem música a pontuar toda a coreografia. Por isso, “Mana, Solta a Gata” é um Musical Hiper-realista.

Adaptação, dramaturgia, concepção cénica e encenação: António Pires | Com: Hugo Mestre Amaro, João Araújo, Rafael Fonseca | Figurinos: Luís Mesquita | Desenho de Luz: Vasco Letria | Apoio Coreográfico: Paula Careto | Costureira: Rosário Balbi | Adereços: Carla Freire | Ilustração: Joana Vilaverde | Assistente de Encenação: Tomás Nolasco | Administração Financeira: Ana Bordalo | Assessoria de Imprensa: Isabel Marques| Coordenação de Produção: Andreia Luís | Produtor: Alexandre Oliveira | M/14
estreia no Teatro do Bairro
digressão ao Teatro Municipal Joaquim Benite (Almada).

 

 

Pedido de Informações

A Companhia

do Teatro do Bairro

 

A Companhia   Para Digressão    Brevemente

 

3 a 13 Agosto
Ruínas do Convento do Carmo
Todos os dias, às 21h
Bilhetes já à venda no Teatro do Bairro e Ticketline

CIMBELINO

de William Shakespeare

Baseado na história de Cunobelino, rei da Britânia, durante a ocupação romana da região, Shakespeare apresenta-nos em Cimbelino uma visão negra do mundo em tom de comédia. Um Rei, cego pelo fogo de uma paixão não correspondida por uma Rainha sem escrúpulos e incapaz de amor, esquece o seu dever e deixa que a sua terra adoeça, mergulhada na mentira, corrompida pelo dinheiro e pelos jogos de poder. Uma peça romance do seu último período dramatúrgico, com a mais complexa intriga que se possa imaginar. Um enredo incrível, numa sequência de cenas e quadros curtos, que mudam vertiginosamente de espaço e de tempo. Utilizando a estrutura do texto como ponto de partida para a encenação, António Pires cria neste espetáculo um delicioso jogo com a própria memória. Recupera as histórias que a nossa cultura inventou e reinventou, com referências que vão da tradição popular à tragédia grega, passando por contos de fadas, esculturas, quadros ou músicas que todos conhecemos… Um espetáculo que, como um puzzle, monta e desmonta, destrói e volta a construir uma imensidão de imagens que parecemos reconhecer de todas as nossas vidas.

Título original: Cymbeline; Texto: William Shakespeare; Versão cénica de Luísa Costa Gomes a partir da tradução de Henrique Braga; Encenação: António Pires; Com: Adriano Luz, João Araújo, João Barbosa, Ricardo Aibéo e Rita Loureiro; Elenco Act: Aine Mar, Andreia Pereira da Silva, Anna Knipper, Carolina Crespo, Carolina Santarino, Catarina Lima, Diogo Velez, Duarte Jardim, Filipa Matos Rosa, Graciano Amorim, Joana Luz, João Harrington Sena, José Pimentão, Lara Silva, Margarida Alves de Brito, Margarida Ramirez, Mariana Rei, Paulo Morais, Rui Ferreira Macedo, Sandra Rosário, Sara Almeida, Vera Lagoa; Figurinos: Dino Alves; Luz: Vasco Letria; Vídeo: Edgar Alberto; Sonoplastia: Paulo Abelho, João Eleutério; Construção de cenário: Fábio Paulo; Mestra costureira: Joaquina Martins; Ilustração: Joana Villaverde; Comunicação: Isabel Marques; Direção de produção: Ivan Coletti; Administração de produção: Ana Bordalo; Produtor: Alexandre Oliveira; Co-produção: Act School; Produção: Ar de Filmes / Teatro do Bairro

Título original: Cymbeline; Texto: William Shakespeare; Versão cénica de Luísa Costa Gomes a partir da tradução de Henrique Braga; Encenação: António Pires; Com: Adriano Luz, João Araújo, João Barbosa, Ricardo Aibéo e Rita Loureiro; Elenco Act: Aine Mar, Andreia Pereira da Silva, Anna Knipper, Carolina Crespo, Carolina Santarino, Catarina Lima, Diogo Velez, Duarte Jardim, Filipa Matos Rosa, Graciano Amorim, Joana Luz, João Harrington Sena, José Pimentão, Lara Silva, Margarida Alves de Brito, Margarida Ramirez, Mariana Rei, Paulo Morais, Rui Ferreira Macedo, Sandra Rosário, Sara Almeida, Vera Lagoa; Figurinos: Dino Alves; Luz: Vasco Letria; Vídeo: Edgar Alberto; Sonoplastia: Paulo Abelho, João Eleutério; Assistência de encenação: Hugo Amaro; Construção de cenário: Fábio Paulo; Mestra costureira: Joaquina Martins; Ilustração: Joana Villaverde; Comunicação: Isabel Marques; Direção de produção: Ivan Coletti; Administração de produção: Ana Bordalo; Produtor: Alexandre Oliveira; Co-produção: Act School; Produção: Ar de Filmes / Teatro do Bairro

Ticketline: 15€ (preço único)
Teatro do Bairro: 15€; 10€ (-25, +65 e profissionais do espetáculo)
Bilheteira aberta de quarta a sábado, das 15h às 19h . Informações: 21 347 33 58 / 91 321 12 63

Contactos

 

Teatro do Bairro

Rua Luz Soriano, 63 (Bairro Alto),1200-246 Lisboa, Portugal

INFORMAÇÕES E RESERVAS APENAS POR TELEFONE

21 347 33 58 ou 91 321 12 63 (16h - 20h)

 

LEVANTAMENTO DE RESERVAS E VENDAS
Na bilheteira, uma hora antes do espetáculo

 

Para propostas de acolhimento, envie e-mail para
teatrodobairro.geral@gmail.com

 

ACESSOS
Metro: Baixa-Chiado (linhas verde e azul)
Autocarros: 758 e 790 . Elétrico: 28 . Elevador: Bica
Estacionamento: Parques do Largo de Camões e Calçada do Combro

 

Ar de Filmes, lda

R. D. Pedro V, nº60 . 1º dtº, 1250-094 Lisboa, Portugal
213 420 810 | 918 570 774

ardefilmesgeral@gmail.com

www.ardefilmes.org